domingo, 23 de setembro de 2012

Clássicos Brasileiros: Maverick GT - Parte 1

Na virada dos anos 60 para 70 do século passado, a Ford do Brasil precisava ter um sedã médio capaz de fazer frente ao sucesso do Chevrolet Opala. A solução estava na Alemanha, onde uma nova geração do Taunus estava para sair do forno.

O modelo europeu era o escolhido de Robert Stevenson, vice-presidente da empresa. Contudo, a coisa começou a mudar de rumo. Em uma pesquisa com os consumidores brasileiros, o Taunus levou a pior frente à outra opção disponível, o americano Ford Maverick. Havia ainda dificuldades operacionais: para fazer o Taunus aqui seria preciso ter uma nova fábrica de motores, o que demandaria tempo. Outro ponto é que o carro alemão tinha suspensão traseira independente, o que representava um aumento de custo na produção.
Esse é o Ford Taunus, de 1970. Não agradou no visual, diante do irmão Maverick.
Em 1971, a matriz da Ford, em Dearborn, EUA, bateu o martelo. Foi decidido que o Brasil teria o Maverick, enquanto o Taunus seria destinado ao mercado argentino. Era o começo de uma série de erros da marca do oval azul...
A versão esportiva do Maverick americano: a Grabber. No Brasil, teve poucas diferenças e se chamava GT.
Quando foi lançado nos Estados Unidos, em 1970, o Maverick era considerado um compacto - o menor e mais barato carro da Ford. Seu nome era referência a uma raça de touros, daí que o modelo americano trazia na grade o escudo com a cabeça de um bovino com longos chifres.

DIA 24/09 - PARTE 2 DA HISTÓRIA DO MAVERICK GT

2 comentários:

  1. Porque o a vinda do Maverick foi o começo dos erros da Ford ?

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Não por que foi um erro ele ter vindo ao Brasil. Foi um erro em relação ao Maverick americano, que era considerado um compacto de entrada, enquanto no Brasil foi o carro mais caro da Ford no país. Isso fez com que as vendas não chegassem perto do poderoso Opala.

      Excluir

LinkWithin

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...