domingo, 31 de julho de 2011

Carros de História: Fiat 500

O Fiat 500 foi lançado em 1957. É impossível não achar esse carrinho simpático, não?
O motor era traseiro, seguindo a base do Fusca e outros carros da época.
O Fiat 500 era o Fusca italiano.
O carro de história de hoje é o Fiat 500/Cinquecento, o sucessor do Topolino.

Para atender às demandas do mercado pós-guerra, que apelou para carros de custo muito baixo, o Fiat 500 tinha que ter motor traseiro, para tentar fazer o mesmo sucesso do Fusca. Vários fabricantes de automóveis seguiram esse padrão e foram muito bem sucedidos. Mas apenas o Fiat 500 foi usado como padrão para outros fabricantes de carros na Europa. As empresas Neckar da Alemanha e a Steyr-Puch da Áustria seguiram legalmente a base no Fiat 500.

Fiat 500 Giardinera, versão perua do diminuto 500.
Apesar de seu tamanho diminuto, o 500 provou ser um veículo extremamente prático e popular em toda a Europa. Foi também disponível na versão "Giardinera", ou perua do 500, esta variante apresentou o motor padrão deitado de lado. A distância entre-eixos alongada em 10 cm rendeu um assento utilizável traseiro, teto solar de corpo inteiro, e travões de maiores dimensões do Fiat 600.

A produção do 500 terminou em 1975, embora o seu sucessor, o Fiat 126, foi lançado dois anos antes. O 126 nunca foi tão popular quanto seu antecessor na Itália, mas foi (e ainda é) muito popular nos países do antigo Bloco Leste, onde é famoso pela durabilidade mecânica e econômica. A Giardinera continuou até 1977, sem nenhum sucessor.

O Cinquecento voltou em 1991, com o nome sendo divulgado pela maneira escrita, e não numeral, como antes.
Ele sucedeu o Fiat 126, embora tenha ficado até 2000.
O Fiat Cinquecento foi um carro de uso urbano lançado pela Fiat no final de 1991 para substituir o Fiat 126. Era o modelo primeiro Fiat a ser exclusivamente fabricado na planta FSM em Tychy, na Polônia, que acabou de ser vendida para a Fiat pelo estado polonês, e onde a produção do 126 (em sua variante polonesa, o Polski Fiat 126) ainda era em execução. A produção do Cinquecento terminou em 1998, quando foi substituído pelo 600/Seicento.

O Cinquecento estava disponível em um estilo único, um pequeno hatch de 2 portas, com um coeficiente aerodinâmico favorável de apenas 0,33. Ele apresentava diversos avanços em relação aos mais velhos carros Fiat urbanos, incluindo a suspensão independente tanto na frente e na traseira, freios a disco dianteiros, barras de impacto lateral, juntamente com zonas de deformação incorporadas ao projeto e painéis da carroçaria galvanizada para afastar a corrosão. A direção era por pinhão e cremalheira, e apesar da direção assistida nunca ter sido oferecida, o carro podia ser encomendado com uma série de extras, incluindo fecho centralizado, vidros, teto solar (ou teto de lona retrátil na versão Soleil) e até o ar condicionado.


O curioso foi que o Cinquecento durou menos que seu antecessor (1991-1998). Ele chegou a sair de linha antes do 126 (1972-2000). PS: Ano que vem o Fiat 126 faz 40 anos, e esse ano o Cinquecento (1991) faz 20 anos. 
O novo 500 foi lançado em 2008, lembrando e muito o modelo de 1957.
O carro só não tem motor traseiro.
Painel customizável. Pode ser preto, marrom, ou esse aí da foto, o creme.
Catálogo de cores do 500 estadunidense.
Adesivos que podem ser colocados na lateral do carro.
O novo Fiat 500 é um manifesto da "nova Fiat", um modelo que representa para todos os efeitos, a materialização de uma nova abordagem, de estratégias novas, e uma abordagem diferente para o carro. Exatamente 50 anos após o lançamento da primeira edição do modelo a Fiat lançou a 3ª geração do carro.

Qualquer um poderia re-editar o Fiat 500, porque sua forma é parte de nossa memória coletiva. Alguns objetos industriais que foram fruto da criatividade italiana, no período após a guerra, como o Fiat 500, ou o Vespa, não pode ser julgado em termos puramente estéticos, nem eles representam apenas um exercício de boa engenharia de que forma serve a uma função. Pelo contrário, eles são catalisadores poderosos, revolucionários em sua concepção e no conceito que define os pontos de referência e referências comuns. Quando isso acontece, o resultado é uma obra-prima que é uma parte essencial da história industrial. O "Nuova 500" é um deles.

Esta é uma história que ocorreu duas vezes. A primeira é a história de um grande número de proprietários, fãs e entusiastas que promoveu a imagem do carro como um veículo, bem confiável e econômica, que se tornou uma expressão de uma parte de suas vidas, a melhor parte, evocando um espírito despreocupado e a falta de preocupações. O Fiat 500 está ligado a essas memórias, para amizades fortes e primeiros amores, evoca imagens de um passado positivo que muitos gostariam de reviver.

O 500C é a versão conversível do novo 500...
...apesar de ser bem ousada.
Apresentado ao mundo pela primeira vez em 2009 no Salão de Genebra, o novo Fiat 500C presta homenagem ao original 500 de 1957 e sua capota de tecido, mas também oferece soluções inovadoras em termos de desenho mecânico, motor e conforto. Toda a linha está com a mais autêntica tradição Fiat, de dar às pessoas acesso a primeiro segmento em conteúdo e tecnologia.

Na Itália, o público levou-o para um test drive no dia 4 de julho de 2009, o aniversário do Fiat 500 e exatamente dois anos após o lançamento do modelo que realmente levantou a barra em termos de conforto, segurança, tecnologia e características.

Usando uma abordagem típica de código aberto (ou seja, em constante evolução, um produto de sucesso com base na entrada de seus usuários), o Centro de Design Fiat criou o Fiat 500C, interagindo com as muitas comunidades de entusiastas do Cinquecento - nomeadamente "500 Wants You" em seu website - e reforçando a posição do modelo como "Um carro para o povo. Pelo povo".

A partir da versão hatch, a introdução de a capota não alterar as características do modelo vencedor, como seus quatro assentos confortáveis, ele adiciona novas funções que aumentam o prazer ao dirigir. Estes incluem um acesso mais fácil à bagageira, mesmo quando a capota está totalmente aberta, graças a um engenhoso sistema de dobradiças.

O 500 Coupé Zagato foi mostrado ao público no Salão de Genebra desse ano.
O 500 (escrever-se Cinquecento e pronunciar Tchinqüetchento) não é bem uma novidade, mas continua atraindo olhares nos salões afora. Em Genebra, a Fiat apresentou uma versão muito especial do mini-compacto, que chamou bastante atenção.

O 500 Coupé Zagato foi desenhado em parceria com o centro de design da empresa, chamado de Centro Stile. O sobrenome de grife indica que o carro foi inspirado no Coupé Zagato, um esportivo criado em 1952 que foi inspirado no clássico 500 Topolino (1936).

O novo 500 Coupé Zagato transformou o pequeno 500 em um "coupé two more two" - para simplificar, Cupê 2+2 - (com capacidade para levar dois adultos e duas crianças). Afinal, com 3,55 metros de comprimento, 1,65 metro de largura e 1,50 metro de altura, o esportivo não poderia ser tão espaçoso assim.

Sob o capô, o modelo tem um motor dois cilindros TwinAir, com 900cc e uma potência de 105 cv. O visual mereceu atenção especial por parte da Fiat: os detalhes cromados contrastam com a chamativa pintura amarela e as rodas de 17 polegadas se destacam pelo belo desenho. Por dentro, o acabamento tem dois tons e oferece uma combinação de toques em amarelo com couro preto. Até o teto foi escurecido, criando um ambiente mais esportivo.

Em junho, o Fiat 500 foi o 3º carro mais vendido da Itália.

2 comentários:

  1. Não consegui localizar a explicação para o número 500 deste modelo da FIAT. Este número/modelo se deve ao peso ou cilindrada do modelo original de 1957?

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Olá Ibra,
      O nome "500" se deve à cilindrada do motor, que é de 479 cc (mas conhecido como "500 cc").
      Abraços!

      Excluir

LinkWithin

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...